domingo, 3 de maio de 2015

Transformo em palavras o meu amor
Exaustas, fatigadas
Não sabem a si transpor
Falham ao serem expressadas
E a mim não concedem esse favor.

Lutam, intrigam
Insistem em se revelar
Mas meu coração regurgitam
Não conseguem manipular

Dizem elas: como pode um infinito
Estar em um único lugar?
Respondo: devo isso ao Renato
Que minhas palavras insiste em esgotar.

(Raquel Murad)